Mundo

Homem 'desliga' cidade na França ao tentar impedir acesso dos filhos à Internet

Dispositivo utilizado pelo pai de família é proibido no país. Caso foi denunciado ao Ministério Público que investiga o ocorrido

20 FEV 2022 - 16h:15 Por Redação/PL
Foto: Ilustrativa Foto: Ilustrativa

Uma cidade inteira ficou sem Internet após um homem ser acusado de ter usado um bloqueador de sinal para impedir que os filhos passassem a madrugada nas redes sociais no município de Messanges, na França. Só depois que uma operadora telefônica ter relatado a falta de sinal à Agência Nacional de Frequência da França (ANFR) que a descoberta foi feita. Segundo informações da 'TechTudo', o pai da família pagou multa e agora enfrenta processo judicial.

A queda de conexão acontecia todos os dias, sempre entre meia-noite e três horas da manhã, o que intrigou os investigadores da Agência. Depois disso, um agente do Serviço Regional de Toulouse da ANFR esperou o horário que a internet caía e usou um analisador de espectro na estação de rádio da operadora móvel que relatou sobre as falhas de sinal para entender o problema.

Depois de verificar o dispositivo, o agente percebeu que a queda de conexão estava sendo causada por um bloqueador de sinal conhecido como wave jammer. O aparelho transmite sinais elétricos na mesma frequência dos dispositivos móveis, impedindo que se conectem a torres de celular e recebam sinais adequados para estabelecer conexões legítimas.

Ao rastrear o sinal de interferência, o agente chegou até a casa de um homem que confessou que comprou o aparelho para impedir os filhos de usarem a internet durante a madrugada. Como o uso de bloqueadores de sinal é proibido na França, a agência denunciou o caso ao Ministério Público, que recolheu o aparelho. O homem pagou uma multa de € 450 euros (R$ 2.608, na cotação atual da moeda), e ainda enfrenta um processo judicial.

O francês pode pegar até seis meses de prisão e pagar uma multa de € 30.000 (equivalente a R$ 174 mil reais, em conversão direta). O Ministério Público da França investiga o ocorrido.

Midiamax

Deixe seu Comentário

Leia Também

Voltar